Quarta-feira, 12 de Setembro de 2012
Insuficiência renal na gravidez

Apesar da fertilidade diminuir à medida que se agrava a disfunção renal, a gravidez é possível




A gravidez em mulheres com insuficiência renal crónica não é frequente, mas é possível. A ocorrência de múltiplas alterações hormonais tanto nas mulheres como nos homens com doença renal crónica, conduzem a uma redução da fertilidade.

No caso da mulher isto pode manifestar-se na irregularidade dos ciclos menstruais e até mesmo na ausência de ovulação. No entanto, apesar da fertilidade diminuir à medida que agrava a disfunção renal, a gravidez é possível, sendo muito importante para a mulher nos diferentes estádios da insuficiência renal, conhecer os riscos envolvidos para poder decidir de forma consciente o seu planeamento. Um dos problemas para a mãe é a gravidez poder agravar a função renal, e a tensão arterial.

Pode ter um risco de até 50% de apresentar pre-eclâmpsia ou eclâmpsia, uma doença específica da gestação relacionada com aumento da pressão arterial e com pior prognóstico fetal. Enquanto na população geral a incidência de pre-eclâmpsia é de 6 a 8%, na insuficiente renal esta patologia é mais grave e precoce, implicando um grande risco de prematuridade. Outra particularidade é que alguns medicamentos que a doente renal toma, nomeadamente anti hipertensores, terão que ser substituídos por outros, pelo risco que representam para o feto, nomeadamente de malformações fetais.

Tratamento dialítico
Nos últimos anos, em função da evolução técnica nas diferentes formas de tratamento dialítico, observa-se um aumento importante da frequência de gestações de doentes em diálise, estando a sua frequência calculada em 0.3 a 1.5% por ano. Relativamente ao tipo de diálise, a maioria dos resultados publicados parecem apontar para índices de sobrevivência fetal e de complicações semelhantes para mulheres em hemodiálise ou diálise peritoneal. No entanto é importante reforçar que quanto mais grave a disfunção renal maior o risco de abortamento ou de um parto prematuro, chegando a cerca 80% de prematuridade para gestantes em diálise.

Nas doentes em hemodiálise na tentativa de tornar o ambiente mais tolerável para o feto, e mais fisiológico, e que se associa a um aumento considerável de gestações bem sucedidas, a mulher terá que que fazer sessões diárias durante a gravidez. Ou seja, passa a fazer 6 a 7 sessões semanais de hemodiálise, em vez das 3 habituais. Devido ao facto de poder ser necessário provocar o parto antecipadamente, a mulher poderá ter que ser hospitalizada.

O exercício físico
O doente renal pode e deve praticar exercício desde que esteja clinicamente estável e que tenha o consentimento do seu médico. A actividade física traz inúmeros benefícios como a diminuição de processos inflamatórios, da incidência de cãibras, o equilíbrio da pressão arterial, o controlo do peso, da glicemia, o aumento da força muscular, a melhoria da flexibilidade, a redução da limitação funcional e, no geral, melhora todo o sistema imunológico.

 

A alimentação
Uma dieta adequada é fundamental no tratamento da insuficiência renal crónica, sendo necessário muitas vezes o apoio de um nutricionista. Além das regras universais de uma alimentação equilibrada é muito importante a redução da ingestão de sal, a restrição de potássio e de fósforo, e o controle da ingestão de líquidos.

 

Insuficiência renal
Em Portugal estima-se que cerca de 800.000 pessoas devam sofrer de doença renal crónica, mas a maioria não sabe. A doença renal crónica, numa qualquer fase da sua evolução, pode afetar 1 em cada 10 indivíduos na idade adulta.

 

O Transplante Renal
Na mulher submetida a transplante renal, o momento ideal para a gestação ocorre após o primeiro ou segundo ano do transplante renal. É neste período que a fertilidade da paciente transplantada, habitualmente, retorna ao normal. Também é muito importante que a função do órgão transplantado seja normal, e que a tensão arterial esteja controlada. Alguns fármacos usados para não ocorrer rejeição, terão que ser substituídos, por serem perigosos para o feto. Assim, os riscos de uma gestação são muito menores para a mãe e para o bebé.

Uma dieta saudável é fundamental em qualquer tipo de gestação, na mulher com insuficiência renal o controle dietético é também essencial nos seus aspectos energéticos, proteicos e, principalmente, na quantidade de sódio, cálcio e potássio ingerida pela gestante. Chama-se particular atenção para evitar o consumo de sal, no sentido de controlar a tensão arterial e a excessiva retenção de líquidos que é comum nestas doentes.

O mais importante quando uma mulher com insuficiência renal quer engravidar, além de o programar antecipadamente, o trabalho em conjunto do nefrologista, do obstetra e do nutricionista é de extrema importância no sucesso da gravidez. As consultas ocorrem em intervalo reduzido, para constante avaliação da função renal, da tensão arterial, do peso e do desenvolvimento fetal, tendo a noção que apesar de se tratar de uma gravidez de risco poderá ser levada a bom porto.

Texto: Dra. Josefina Santos, Médica nefrologista e membro da Direcção da Sociedade Portuguesa de Nefrologia

fonte:http://familia.sapo.pt/gravidez/saude/mae_ideal/1269027-2.html



publicado por adm às 23:34
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Nilde omai a 8 de Maio de 2013 às 14:46
Eu sofro de insufiencia rinal cronica e fasso dialisd peritonial o que eu fasso nao sou rica?


Comentar post

.pesquisar
 
.posts recentes

. Tudo sobre vacinas para g...

. Mulheres aconselhadas a c...

. Quer engravidar? Fique at...

. Saúde: 20% das mulheres g...

. 5 alimentos proibidos na ...

. Vinte e um fatos bizarros...

. Evite certos alimentos...

. Os exames que toda mulher...

. Benefícios da ingestão de...

. Obesidade na gravidez aum...

. Oftalmologista diz que us...

. Tipo de coceira rara na g...

. Usar antibiótico durante ...

. Obesidade na gravidez

. Mulheres com distúrbios a...

.tags

. 10 a 11 semanas

. 11 a 12 semanas

. 12 a 16 semanas

. 18 a 24 semanas

. 19 mitos sobre a amamentação

. 25 semanas

. 26 semanas

. 28 a 33 semanas

. 28 semanas

. 35 anos

. 6 a 8 semanas

. 6 semanas

. 8 a 9 semanas

. 9 a 10 semanas

. abertura vaginal

. aborto

. aborto espontaneo

. aborto espontâneo

. ácido fólico

. actualidade

. acupuntura

. adolescente

. alcool

. alergias

. alimentação

. amamentar

. amniocentese

. analise

. anemia

. ansiedade

. anti-séptico

. aos 30 e aos 40

. as dúvidas

. asma

. bebe

. bebes

. cabelo

. calor

. casamento

. células

. células estaminai

. celulite

. cesariana

. cloasma

. colesterol

. coluna

. concelhos

. concepto

. contracções

. corpo

. corte cirúrgico

. curiosidades

. doença

. dor

. duvidas

. enjoos

. estrias

. exercício

. filho

. gases

. gemeos

. gestação

. gravida

. grávida

. gravidez

. gravidez de risco

. gravidez ectópica

. gripe

. hipertensão

. infertilidade

. leite

. mãe

. mae

. manchas

. mulher

. nascimento

. nomes

. noticias

. obesidade

. paixão

. parto

. pele

. período fertil

. placenta

. placenta prévia

. portugal

. pós-parto

. pos-parto

. prazer

. sangue

. saúde

. saude

. sentimentos

. sexo

. sintomas

. sintomas de gravidez

. testes de gravidez

. ventre

. vida

. video

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2016

. Maio 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

.links
.subscrever feeds